Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Domingo à tarde

o que faço para o jantar?

Domingo à tarde

o que faço para o jantar?

TVI, Judite e o país que temos

Creio que o que vou dizer é injusto para parte da classe jornalística em Portugal, mas é o que é e a liberdade de expressão permite-me opinar sobre um produto que consumo todos os dias. Eu não estudei jornalismo mas tive esse sonho, e albergo ainda o desejo de poder fazer algo que comunique a sério com as pessoas, que as façam ver o que é importante, lendo e ouvindo. Não sei de códigos deontológicos, de regras próprias dos jornais e televisões, quem paga ou não paga para verem as notícias correrem de feição e não alarmar quem não se deve. O que sei é que o dinheiro compra tudo, e mesmo que não compre felicidade, as pessoas procuram-no mais do que a própria felicidade e isso diz muito da sociedade que se foi formando de forma egoísta e capitalista. O dinheiro compra o silêncio e a falsidade, mas não compra a capacidade que nós, leitores, temos de dissecar o que é ou não verdadeiro.

 

Fala-se da polémica da TVI e da Judite sobre a peça que foi feita junto ao cadáver nos fogos de Pedrogão Grande. Pergunto a quem tem o sonho de fazer jornalismo a sério: o que pensam disto? Vêem-se no futuro a serem pagos para fazerem de tudo por interesse dos jornais/televisões? Como se sentiriam a gravar junto a um cadáver como se nada fosse? Não, em momento algum, vos chocou o facto de não estarem a informar mas a criar um situação que pode pôr em causa toda a vossa credibilidade humanística? Para que serve, hoje em dia, o jornalismo? Que MERDA de patrão, produtor, um badameco qualquer que esteja no momento, pode dizer: "Oh Judite, o que era engraçado para as audiências era que tu te pusesses ao lado do morto e fizesses uma reportagem.". Mas o que é isto?

 

A televisão tem muita força. E acho espantoso que tudo isto, e muitos outros exemplos, por exemplo, na CMTV, tenham realmente audiências e sejam vistas de forma mais ou menos normal. Não há uma resposta cabal ao insano, ao realmente estúpido e ordinário. A TVI voltou a ganhar, porque como foi emitido: "não recebemos lições de ninguém.". Tudo normal.

Andam a brincar à temperaturas? 41 graus?

Resultado de imagem para burn sun cartoon

Sou uma pessoa equilibrada, e isso equivale dizer que este calor é tudo menos equilibrado. A menos que esteja numa água que esteja a 15 graus porque aí não vou sentir é nada. Não percebo nada deste tempo, e permitem-me dizer-vos isto (e magoar até quem se lembrar de passar umas boas férias em Agosto): Agosto vai estar pior do que agora. É que parece-me que isto é queimar cartuxos da festa e que, quando chegar o tempo dele, nada vai ser igual. Mas tem uma coisa chamada "Secar roupa". Bela invenção esta!

 

créditos da imagem

Bom dia!

IMG_20170612_061751_888.jpg

Nada melhor do que sair do trabalho com o sol a nascer. Parar num café para saborear o primeiro pão do dia, ainda quente, com a manteiga a derreter, enquanto saboreio o galão de sempre. Ainda tenho tempo de verificar as primeiras notícias do dia na televisão, enquanto a menina da meteorologia (nevermind, já não existe) nos vai dando as últimas do tempo. O tempo flui, o comboio vai dando sinal no terminal (onde pára a voz estridente do senhor que anunciava os comboios), os autocarros arrancam para as primeiras enchentes e as olheiras multiplicam-se por aí. Há um bom dia tímido das pessoas bem dispostas, e a arrogância tímida dos mal educados. Há os polícias que agora andam de metralhadoras, dizem que é por causa do terrorismo. Ainda existem os que pedem dinheiro pelas grandes causas da humanidade. E há apitos. Há buzinadelas desconcertantes de gente nervosa e com birra do sono. Há quem discuta, há quem se encoste à pessoa amada. 

Com'on, não sabe bem viver? 

[Review] O Livro Sagrado da Factologia -- Rui Zink

Eis a review do livro que acabei de ler. Venha outro!

 

O Livro Sagrado da FactologiaO Livro Sagrado da Factologia by Rui Zink
My rating: 3 of 5 stars

Acabei o livro com uma grande lição: "Facto é um facto." e é sobre esta premissa que o livro se desenrola, de forma maçadora por vezes mas com alguns rasgos de génio. A nível da linguagem utilizada até achei revitalizante, por ser bastante diferente do que estamos habituados, baixando ao nível do comum dos mortais. No geral achei uma leitura ligeira, mediana qualidade.

View all my reviews

Segurança de bairro

Percebo Pessoa, quando se sentra em frente à janela a observar em silêncio as pessoas na rua. Imaginamos os diálogos, os gestos característicos, quem passa e quem não passa, com uma atenção tal que podíamos ser perfeitamente o segurança do bairro que tanto nos falta. É que o tempo aqui flui, como ler, escrever ou ouvir música. O tempo é despido de carne, porque isso é que não percebo porque custa tanto a passar às vezes, e noutras tão pouco - inexplicável? talvez. Gosto da sensação de ser transportado para uma vida paralela, onde podemos errar, treinar e medir a força das coisas como bem entendermos. É que nesta vida - a real - tudo tem um peso e medida, e consoante o tempo, a pessoa ou o espaço, tem diferentes interpretações, o que nunca foi bom. Não digo que a vida em paralelo filtrasse o erro mas filtrava a inexperiência, a inabilidade, a inconstância. 

 

 

Copyrighted.com Registered & Protected 
Z3V4-KWNR-IU74-YMMD

Pág. 1/3