Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Domingo à tarde

o que faço para o jantar?

Domingo à tarde

o que faço para o jantar?

Foda-se, caralho!

Preciso de mandar um valente "Foda-se, caralho!" cá para fora. E se fumasse, já tinha aviado um maço inteiro em meia hora (não sei se é possível ou se não é) mas os nervos consomem-me de uma forma avalassadora. Despertar as pessoas para a vida é uma coisa que me chateia profundamente, sobretudo quando o que as faz adormecer é notoriamente estúpido, recorrente e desnecessário. Como, caralho? Como não se preocupam em indireitar a vida, sabendo que tudo ficaria bem melhor? E saber por terceiros o LODO onde estão metidos? A sério? Sinto-me um pedaço de MERDA por tudo isto, principalmente porque é RECORRENTE e pouco ou nada vou sabendo. Anos e anos disto, sinceramente. Porque raio ainda tomo o problema dos outros? Adorava ser daquelas pessoas que se borrifa, que se liberta destas coisas, juro. 

 

A sério, que dia...

Como encarar uma Sexta-Feira de trabalho antes de umas férias

Eis alguns pontos de como encarar uma Sexta-Feira de trabalho antes de umas férias:

  • É o teu ganha-pão, queres fazer o quê?
  • Encarando como se fosse uma dieta: mamas 8 horinhas de labuta agora para obteres 1 semana de prazer...coise, não sei o nome, férias vá;
  • Levas meses e meses disto e agora queixas-te porquê? Trabalha que o país precisa disso;
  • Encarando como se fosse vodka após 10 litros de amêndoa amarga: É amargo mas não te preocupes porque já não sentes nada;
  • Encarando com naturalidade, porque quanto menos pensares em férias mais depressa elas aparecem

Bom dia?

 

Bom dia. 

Alguém sabe como se dorme? É que me dava um certo jeito quando tenho um dia preenchido. Nunca tive grande capacidade para dormir quando e como quisesse, ao contrário de muito boa gente que desenvolveu um dom de dormir em condições extremas, mesmo contra a sua vontade. É que as manhãs são boas para agarrarmos em nós, corrermos ao café (em condições) mais próximo e pedir uma torrada valente e um líquido à escolha para não embaçar, não é? Não? Am I alone?

Bem, o que é certo é que o dia fica maior, há mais oportunidade de fazermos coisas. Tipo...Netflix...Jogar...Ler...limpar a casa. Estou a brincar, temos de ser responsáveis. Escolho netflix.

 

Devemos respeito, não acham?

IMG_0158.JPG

Ultimamente a morte tem suscitado em mim alguma controvérsia. Pela vida que tenho tido, pela forma como tenho gerido as coisas, pela noção que vou tendo delas mesmas, pela forma como me relaciono com as pessoas e sobretudo pela forma como giro o grau de relação com elas. Vamos sempre a tempo de aprender, e há sempre alguém que nos ensina algo ou nos dá uma visão que desconhecemos. Às vezes é preciso (desculpem-me a imagem) sairmos de nós mesmos, e ficarmos por cima a ver o cenário, o nosso cenário e o que andamos a fazer. Certamente já se viram em vídeos e pensaram: "Whaaat? O que é isto? Sou eu?" e brincamos. Brincamos porque ignoramos o simples facto de desconhecermos a forma como vivemos e a forma como nos vêem. E até vou mais longe: será que no fundo a opinião dos outros não nos interessa mesmo? Não há ali um desejo secreto de sabermos o que somos do outro lado?

 

A morte de um ente querido, o suicídio seja de quem for por aí, suscita-me uma reflexão, sempre. Se mudo depois disso, ainda é uma incógnita mas paro para pensar. Respeito muito o que não posso controlar, que ninguém pode controlar, um destino que não sabemos quando aparece. E eu sei que devia e devemos respeito a tudo e a todos. Respeitarmo-nos enquanto cidadãos, humanos com direitos estabelecidos; Respeitarmos os outros, a forma como lidam com a vida deles, respeitando os limites da liberdade imposta; Respeitar quem sabe mais, quem faz mais do que nós, quem nos ajuda naquilo que desconhecemos; Respeitar quem não teve culpa de nascer, e que é um direito que lhe assiste; Respeito. No fim morremos todos, por isso...

E agora?

É agora que tomamos as doenças mentais como algo sério para a sociedade? É desta vez que vamos compreender que são doenças que precisam de ser compreendidas? Deixou 6 filhos e uma carreira notável, deixou-nos um legado musical que atravessou diversas fases da nossa vida, porque muitos ainda acham que o dinheiro e estabilidade amorosa são sinónimos de profunda felicidade e estabilidade emocional. A depressão existe, é REAL. Lidar com a depressão é das coisas mais complicadas, que precisam de ser desconstruídas no psicológico de uma pessoa. É um processo, e as pessoas precisam de ajuda. As pessoas precisam de ajuda, caraças! E quem não tiver capacidade de pedir, que quem esteja ao seu lado o faça com urgência. A morte não é solução para nada, e é isto que tento combater no mundo. A morte NÃO resolve nada, e ainda arrasta mais problemas consigo, sobretudo para quem os ama. 

E agora? Vamos levar isto a sério ou não?

 
Copyrighted.com Registered & Protected 
Z3V4-KWNR-IU74-YMMD

Pág. 1/2