Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Domingo à tarde

Senta-te, desfruta e serve-te enquanto vou ali fazer uma sestinha

Domingo à tarde

Senta-te, desfruta e serve-te enquanto vou ali fazer uma sestinha

Incapacidade para sofrer

Às vezes penso que sou demais. Outras que sou menos, muito menos, mas em todas elas eu dei o que tinha, e em muitas delas o que não tinha. Umas vezes venci, outras perdi e outras perderam-se por aí como se fossem farrapos a esvoaçarem no deserto entre o que existe e o que não existe na minha vida.

Vivi todo este tempo a acreditar de forma ingénua nas pessoas, pensando que o destino das coisas estaria nelas. Quão errado eu estava em pensar que se não fizesse nada ao mundo, que ele próprio se regenerava sozinho, que estúpido! Ferido de morte (o mundo), amavelmente destruído (o mundo), e eu ingenuamente enganado em toda a minha plenitude. O que vale é que aprendemos sempre desta maneira, não é? No limite da impossibilidade.

E bastou ligar a televisão para perceber que estamos no fim. Que nada agrada a ninguém, e que a maior futilidade é ser-se feliz. (Felicidade...que coisa  tão ridícula e distante). Vamos um dia ouvir dizer que a felicidade foi o que destruiu tudo isto, a harmonia das coisas e das pessoas. E aí vamo-nos rir, porque tudo é mau e porque parece ser mais fácil rir-se da maldade dos outros.

E agora vou beber um café numa esplanada ao sol, olhando de soslaio para quem passa e se ri da minha incapacidade para sofrer e me auto-mutilar com as mesquinhices da sociedade.

Adeus.

hippie-mrec

É preciso mesmo um motivo?

Pergunto, porque perguntar não ofende, se tem de haver sempre um motivo para tudo acontecer. Motivo para discutir, para amar, para nos zangarmos, para explorar, para saber, conhecer, para tudo. Se, num ato propositado, não podemos fazer por fazer, sem motivo aparente ou físico. Se temos de mostrar o que somos, o que conquistamos e o que sabemos para dar mostras da pessoa que as outras pessoas veem à frente. É que tem dias que quero estar no meu canto, pelo simples prazer de estar em mim, com os meus pensamentos, sem chatear a consciência ou inconsciência de outros. O que leva alguém a pensar que o nosso ar mais sombrio tem um passado, mesmo que recente? O que leva alguém a pensar que um semblante mais carregado é sinal de mau dia, maus pensamentos, de pés de fora da cama? Não podemos ser por ser, estar por estar? Fica a questão. 

Ía dizer mais qualquer coisa mas vou para o meu canto. Ah e a capacidade que o humano tem de ser oportunista? Tudo é assediado, tudo é vítima de polícias, tudo é corrupto, tudo. Foi preciso abrir a caixa de pandora...ai vida.

hippie-mrec

#11 Chucha-me o nabo

O bom que levo desta vida é o de poder olhar para as pessoas, para pessoas e tudo o que trazem com elas. Existem olhares, uns cheios de vida e outros tão vazios e todos eles coabitam, constroem o mundo onde vivemos. E hoje, enquanto fazia o meu trajeto de comboio, pensei muito nisto: podem duas entidades opostas emocionalmente coabitar o mesmo espaço? Não pode com isso haver uma transferência de energia, que possa, das duas, uma: ou acabarem as duas num estado emocional igual ou uma acabar por descer um nível e a outra subir por descarregar a sua energia noutra pessoa?

Eu sei que isto parece conversa de malucos mas diz muito da forma como nós lidamos com pessoas com atitudes muito distintas de nós. Acabamos, porque a carne é fraca, por herdar de forma automática as "dores" dos outros, e acabamos por nos transformarmos numa pessoa que nunca fomos. Qual a solução? Deixarmos de forma irremediável o lixo tóxico humano que vamos encontrando por aí? Não esquecer que em muitos casos esse lixo pode ser família (e não, não é nada pessoal).

Começo a levar a sério esta história de nos darmos com as pessoas erradas, que podem mudar muito a nossa forma de ver as coisas, viver as coisas, definir as coisas. Não para melhor, claro.

Agora a parte engraçada disto tudo: pensam nisto ou sou só eu? Faz algum sentido para vocês estas coisas?

 

hippie-mrec

#11 Hora da sesta

Havia um cão

perdido, que pedia liberdade

de olhos meigos, irrequieto

que morreu vítima da verdade

que o humano não soube inventar.

 

Procurava comida

apanhava chuva e tempestades

e fazia com o tempo

deixando ou não saudades

vivendo com o vento.

 

Pudesse eu fazê-lo retornar à vida

aos sonhos de qualquer animal

que o irracional sente mas não pensa

que o racional, miserável não vê mal

que ao pobre pequeno não o sustenta.

 

E os olhos fecharam-se

meigos, fizeram-se frios e distantes

que descanse noutro lado

bem mais feliz em passeios constantes,

que aqui não teve...triste fado.

 

hippie-mrec

Desafio - Só mais 1

Quem me desafiou foi a The Cherry que aguentou demasiado tempo sem uma resposta minha porque sou um desleixado que além de não ter recebido notificação, anda a ler pouco

 

As regras são:

A. Responder às perguntas da lista, mantendo o nome do(a) autor(a) da pergunta.

B. Acrescentar uma pergunta à lista de perguntas.

C. Nomear um blogue para responder ao desafio.

D. Colocar a imagem oficial do desafio.

E. Identificar (com link) quem vos desafiou.

F. Colocar o link do vosso post num comentário ao post onde se foi desafiado(a).

G. Importante! Se o blogue nomeado no ponto C não responder ao desafio no prazo de uma semana, nomeia-se outro blog.

 

20699094_CNU5i.jpeg

 

A. Responder às perguntas da lista, mantendo o nome do(a) autor(a) da pergunta.

1 - Se tivesses que te transformar num objeto útil do dia-a-dia, durante 24 horas, em que objeto te transformarias e porquê? (Mimi)

Num relógio de estação de comboios. Anda sempre em movimento e é imensamente útil.

 

2 - Neste preciso momento ofereciam-te 2000€, qual era o teu próximo passo? (C.S)

Mudar toda a roupa que tenho. Alguma vá, e doar toda a roupa que tenho neste momento...alguma, vá...

 

3- Gostavas de conhecer alguém aqui dos blogs. Se sim, quem? Se não, porquê? (A Desconhecida)

A The Cherry para lhe compensar esta falha mas, sobretudo, para ver ao lado dela os clientes que ela tem que me fazem rir em qualquer lado, mesmo sabendo que não deve ter piada nenhuma [LOL]

 

B. Acrescentar uma pergunta à lista de perguntas.

4- Qual é a tua melhor desculpa para faltar a um compromisso?(The Cherry)

Falta de descanso, visto que trabalho por turnos e ando constantemente avariado. [LOL]

 

5 - Do que tens evitado falar há demasiado tempo? (David Marinho)

 

C. Nomear um blogue para responder ao desafio.

Desta vez passo a bola à Tatiana

 

 

hippie-mrec

Desafio - Já fiz/Nunca fiz

20685896_AmbTc.jpeg

Regras:

 Responder a todas as perguntas apenas com "Eu já" ou "Eu nunca" 

 Responder à última pergunta com "sim" ou "não"

 Colocar a imagem oficial do desafio (obrigatório)

 Referir quem vos passou o desafio

 Passar o desafio a pelo menos 4 pessoas (semi-obrigatório)*

*não é de todo cariz obrigatório porque nem toda a gente gosta de nomear, era porém para dar alguma continuidade ao desafio

 

1. Eu nunca fiz um interail - Nunca.

2. Eu nunca participei num concurso - Já.

3. Eu já conheci a pessoa que mais admiro - Já.
4. Eu já caí na rua - Já.
5. Eu nunca desmaiei - Nunca.
6. Eu nunca estive em coma alcoólico - Nunca.
7. Eu nunca experimentei drogas - Nunca.
8. Eu nunca me vinguei de alguém que me fez mal - Nunca.
9. Eu nunca tive um acidente - Estive envolvido, conta?
10. Eu nunca andei de avião - Já.
11. Eu nunca bebi demais - Já.
12. Eu já confundi uma pessoa com outra - Nunca.
13. Eu nunca me perdi num país/cidade estrangeira - Já.
14. Eu nunca tive uma experiência paranormal - Já.
15. Eu nunca roubei - Já.
16. Eu nunca apaguei coisas do facebook por ter poucos likes - Acho que não, por esse motivo.
17. Eu nunca traí alguém - Nunca.
18. Eu já deixei de falar com alguém que me magoou - Já.
 
Respondi com sinceridade a todas as perguntas? Sim, claro. Comigo é assim!
 
A quem passo o desafio:
The Cherry (agora és compensada em todos os desafios)
hippie-mrec