Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Domingo à tarde

Senta-te, desfruta e serve-te enquanto vou ali fazer uma sestinha

Domingo à tarde

Senta-te, desfruta e serve-te enquanto vou ali fazer uma sestinha

Cara lavada, quem se atreve a entrar?

pexels-photo-373076.jpeg

Podia ser a minha mesa de trabalho mas não tenho nenhum produto da maçã ratada.

Hoje enquanto lavava a cara aqui do meu espaço, imaginei-me a ter novamente 15 anos e a mudar código HTML até às 4 da manhã. Realmente a arte de blogar é algo que se assemelha a uma segunda casa, em que cuidamos, fazemos e refazemos as coisas, mudamos e procuramos o melhor para nós.

O que falta? Falta aquilo é essencial: melhorar o conteúdo. O conteúdo é 90% do sucesso de qualquer espaço e isso só se obtém com dedicação, estudo e/ou inspiração. E nesse aspecto, fazer com que o leitor caia na esparrela é o maior desafio, e fazê-lo várias vezes é jackpot.

Por isso quem está habituado ao Domingo à tarde de sempre, continuem a partilhar comigo o mesmo gosto que o meu: a esceita. Aos novos, que sejam bem-vindos.

 

hippie-mrec

O mau tempo veio para ficar?

26871521_1957026574559785_1970859560402944000_n.jp

Definitivamente o mau tempo veio para ficar, o que pede urgentemente abrigo. Encontro-me neste momento em total cativeiro, envolto de uma manta e a escrever-vos, como se fosse um artista. E continuo a dizer que, tal como ontem, o som da chuva a bater na janela tem qualquer coisa de zen e introspetivo, como se a mãe natureza nos quisesse dizer qualquer coisa. 

Mas daqui a pouco tenho de sair de casa e este mau tempo tem tudo menos de zen e introspetivo. Tem tudo de depressivo e chato, porque fica a roupa toda molhada, tornando-me todo eu um poço de gasolina para a gripe me chegar fogo à pele. 

Por isso eu sugiro que negociemos: enquanto estiver na rua sem abrigo, no mínimo, não chovas. Caso contrário, podem chover picaretas.

 

Tenham um "bom dia".

 

hippie-mrec

Porque a chuva é tão mal amada?

Dia de chuva em dia de folga devia ser feriado nacional. A chuva nestes dias tem um traço especial: o som ao bater na janela enquanto se dorme ou descansa, o som violento quando vem em enxurrada que nem uma janela dupla consegue suster e, estando na rua a caminho de casa, poder estar debaixo dela sem qualquer pudor é qualquer coisa de extraordinário (não me façam engolir estas lindas palavras, se faz favor!). E é com esta chuva que eu percebo os gatos que acampam à janela por qualquer coisa, porque é movimento e óptimo para a fotografia, porque põe tudo a meia luz que serve tanto para não fazer nada como para simplesmente apreciar (mesmo não fazendo nada, ok).

Eu percebo que não tenha assim tantos adeptos, mas vamos apreciá-la uma vez que seja.

pexels-photo-459451.jpeg

hippie-mrec

[Desafio das 52 semanas] Semana 7 e 8

20899882_O3tGb.jpeg

...me deito e penso: -"Raios! Preciso de ir mijar. Mas ainda agora me deitei, está frio lá fora. Raios!!". Bem, na verdade eu sempre quis vencer, sempre quis estar onde o mundo cresce e acontece. Sempre quis férias e folgas, e ao invés disso, deram-me trabalho e algumas folgas e algumas férias. Sempre critiquei isso, porque trabalhar 2 dias e descansar 5 sempre foi o meu intento. Mas se criticasse de forma errada, seria sempre despedido. Sempre aqui, sempre ali. Sempre a fazer isto. Sempre fui assim. O que vale é que este desafio não é para sempre.

 

20899925_2fyYC.jpeg

  • Rei Leão;
  • Shrek;
  • outros (estes todos viram!)
hippie-mrec

Abdicar do medo de viver

Quando somos muito jovens, vivemos no desespero de viver tudo ao mesmo tempo, de experimentar tudo em quantidade, mesmo que não se veja qualidade em nada do que se faz. Instigamo-nos a fazer merda (da grossa) para podermos ter a certeza que pior do que aquilo não há e esquecemos as pessoas, mas não é por mal. Esquecemos porque elas são apenas pontes de contacto com a terra, porque vivemos o tempo todo na lua.

Mas com o passar do tempo, vamos filtrando a estupidez e vamos ganhando uma certa burguesia na alma. Já não queremos em quantidade mas em qualidade, e pior é quando a qualidade fica abaixo do nosso patamar - tornamo-nos chatos, muito chatos. Pagamos para experimentar a melhor comida, o melhor vinho, a melhor terapia, o melhor hotel, a melhor viagem, o melhor serviço. Quando já não somos tão jovens assim, procuramos absorver tudo, na exacta conta da emoção das coisas, com medo que percamos tudo com o passar do tempo.

É preciso abdicar do medo de viver. Abdicar do aborrecimento que é não ser novo, porque há sempre tanto para contar.

 

hippie-mrec

[Desafio das 52 semanas] Semana 5 e 6

20865628_vpHRL.jpeg

  • Ser magro;
  • Ser bonito;
  • Ser rico;

Agora a sério:

  • Manter-me feliz;
  • Manter-me são;
  • Ser útil;
  • Ser reconhecido sem passar por cima de ninguém;
  • Ser um exemplo;
  • Ser sempre livre.

 

20875540_EjUyk.jpeg

  • Enviar para o planeta Detox425 aquelas pessoas que não valem um corno;
  • Transformar fome em alimento;
  • Transformar sede em água;
  • Transformar o stress em prazer;

Havendo água potável com fartura...transformar água em vinho AurumRed* e disponível para quem o quisesse beber.

 

*o vinho mais caro do mundo, espanhol.

 

hippie-mrec

Pág. 1/4