Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Domingo à tarde

Senta-te, desfruta e serve-te enquanto vou ali fazer uma sestinha

Domingo à tarde

Senta-te, desfruta e serve-te enquanto vou ali fazer uma sestinha

24
Ago17

Lembram-se disto?

David Marinho

Enquanto passeava no sono, pensava no quão real os sonhos e as imagens que traçamos na nossa cabeça podem ser tão reais e transparentes. 

 

Eis o que me lembro:

 

Enquanto me sento nas escadas do alpendre da casa do meu primo C., reparo no ar distante dele

- Então, há muito tempo aqui? 

- Olha acabei o que queria fazer e vim tomar conta dos pequenos. 

Viramos a cabeça ao mesmo tempo para o sítio onde estavam as crianças e ali ficámos a segui-las com o olhar

- Imaginavas tudo isto há 10 ou 20 anos? 

- Não, nada, mas é seguramente melhor do que pensava. 

- No outro dia lembrei-me de todos nós, um arraial de primos, tios, tias, netos, avós, pais, irmãos, tudo...em Tróia, quando ainda era a nossa Tróia. 

- Os barcos verdes e brancos...pois é, lembro-me tão bem. 

- Metade da praia era nossa! 

E rimos os dois. Muito.

- Levávamos panelas, uns quê...7 ou 8 chapéus? 

- E mandarmo-nos para a água ainda o barco estava a atracar? Isso sim! 

O semblante do rosto cai em ambos

- É, tenho é saudades da despreocupação, da irresponsabilidade, de sentir que o tempo passava muito mais devagar, isso sim! 

- Parece que tudo é tão rápido agora, né? 

 

E acordei. Acordei a olhar para o horizonte escuro do meu quarto, sem o barulho, sem as crianças, sem alpendre ou natureza alguma para se fazer ouvir. 

E reflicto. Reflicto este tempo que corre e nós, impotentes, vamos correndo atrás dele. 

21
Jul17

Devemos respeito, não acham?

David Marinho

IMG_0158.JPG

Ultimamente a morte tem suscitado em mim alguma controvérsia. Pela vida que tenho tido, pela forma como tenho gerido as coisas, pela noção que vou tendo delas mesmas, pela forma como me relaciono com as pessoas e sobretudo pela forma como giro o grau de relação com elas. Vamos sempre a tempo de aprender, e há sempre alguém que nos ensina algo ou nos dá uma visão que desconhecemos. Às vezes é preciso (desculpem-me a imagem) sairmos de nós mesmos, e ficarmos por cima a ver o cenário, o nosso cenário e o que andamos a fazer. Certamente já se viram em vídeos e pensaram: "Whaaat? O que é isto? Sou eu?" e brincamos. Brincamos porque ignoramos o simples facto de desconhecermos a forma como vivemos e a forma como nos vêem. E até vou mais longe: será que no fundo a opinião dos outros não nos interessa mesmo? Não há ali um desejo secreto de sabermos o que somos do outro lado?

 

A morte de um ente querido, o suicídio seja de quem for por aí, suscita-me uma reflexão, sempre. Se mudo depois disso, ainda é uma incógnita mas paro para pensar. Respeito muito o que não posso controlar, que ninguém pode controlar, um destino que não sabemos quando aparece. E eu sei que devia e devemos respeito a tudo e a todos. Respeitarmo-nos enquanto cidadãos, humanos com direitos estabelecidos; Respeitarmos os outros, a forma como lidam com a vida deles, respeitando os limites da liberdade imposta; Respeitar quem sabe mais, quem faz mais do que nós, quem nos ajuda naquilo que desconhecemos; Respeitar quem não teve culpa de nascer, e que é um direito que lhe assiste; Respeito. No fim morremos todos, por isso...

O que procuras?

leituras-verao-mrec

Quem sou eu?

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
Imagens retiradas do banco de imagens Pexels, quando não são da minha autoria. Entrem em contacto comigo caso queiram ver apagadas as fotos que sejam do vosso direito e da vossa autoria.