Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Domingo à tarde

Senta-te, desfruta e serve-te enquanto vou ali fazer uma sestinha

Domingo à tarde

Senta-te, desfruta e serve-te enquanto vou ali fazer uma sestinha

02
Ago18

Gengiva, rinocerontes e antibióticos

David Marinho

Há momentos na vida em que temos de parar para pensar. Certas alturas são propícias para repensarmos bem no nosso percurso, naquilo que fomos e naquilo que intencionamos ser daqui para a frente. Foi com esta premissa que decidi marcar consulta num dentista para me extrair um dente que, embora tivesse quase 30 anos, já morrera hà muito, longe da dignidade que lhe era devida, longe das mordomias que deveria ter recebido.

Lembro-me com algum pesar, os olhos do Dr. Pedro, impecavelmente vestido a rigor e em segurança, a virar do avesso o dente. Lembro-me da violência que foi poder retirar tal corpo inerte da gengiva e lançá-lo para um final ainda mais triste, sangrento e despojado de qualquer valor.

Lembro-me também, no resfriar uma realidade idolatrada, quando a gengiva ficou privada do seu vizinho de longa data, e pode constatar espantadíssimo o tamanho colossal de tal criatura, que tanto podia ser um dente, como um chifre de rinoceronte bebé. Como se não bastasse, o tal Dr. teve a coragem e o desplante de, antes da minha saída conturbada, com a boca de lado e dormente, de me dizer:

"- Precisa de tomar antibiótico!"

artificial-background-birthday-1073776.jpg

25
Jul18

Arriscar ou não arriscar

David Marinho

Não sei se são dos meus olhos, da forma como vejo ou do sentimento que transmitem, mas há sítios que de tão impregnados em memórias, pessoas e emoções que estão, me afastam para que eu mantenha intacto todo o chão que pisei. Não quero perder a inocência do espaço e do tempo, e permanecer para sempre com a idade feliz, dos momentos felizes para que possa vir e sentir saudades. Quem permanece mais do que o próprio tempo, arrisca-se a matar o bom e o mau das coisas, e fartar-se rapidamente de tudo, até do ar rarefeito que nada acrescenta.

E vagueio perdido porque nada disto me é confortável, mas necessário. Tudo isto são mares que nunca naveguei, estradas que nunca conduzi mas que me levam a algum lado. As novas memórias irão preencher as más memórias, porque as boas tendem a ficar. A minha história irá ser conduzida ao seu expoente máximo, por entre desfiladeiros de sentimentos e emoções que só pode ser comparada com o apogeu. Ser feliz será o maior pódio, e não tenho a mínima dúvida que a felicidade será tão precisa no futuro como a água ou a comida.

blinds-dark-light-586414.jpg

17
Jun18

Para os que chegam atrasados

David Marinho

Atrasos.

O que há na vida das pessoas para massacrarem constantemente o conceito de chegarem a horas?

Combina-se 2 dias antes, 1 semana antes, 2 horas antes, qualquer coisa, para depois nunca chegarem a tempo. Mas tenho uma teoria:

  • Não sabem priorizar compromissos;
  • Não querem saber se existem obstáculos entre onde estão e o sítio onde vão estar;
  • Odeiam chegar horas com medo que sejam elas mesmas a ter de esperar.

Mas aqui dou de barato todos aqueles que se atrasam por manifesto azar ou por manifesta falta de tempo. Mas não é só de azares que é feita esta vida, não é? Ou é?

Conto-vos o que penso disto: eu tenho uma capacidade que desenvolvi durante muitos anos de pôr para um relógio tudo aquilo que faço, ou seja, estando no ponto A e tendo um compromisso, eu calculo automaticamente a hora mínima e máxima a que chego ao ponto B - constantemente. Isto acontece a quem anda anos e anos de transporte, e que parece perder-se quando começam a andar de carro, o que é um erro. Organização temporal pode ser a diferença entre ter tempo ou não ter, e creio que não há grande ciência no que estou a dizer.

Por isso quando penso que prefiro chegar 1 hora antes do que 5 minutos depois, porque não podemos todos pensar assim?

analogue-classic-clock-280264.jpg

O que procuras?

leituras-verao-mrec

Quem sou eu?

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
Imagens retiradas do banco de imagens Pexels, quando não são da minha autoria. Entrem em contacto comigo caso queiram ver apagadas as fotos que sejam do vosso direito e da vossa autoria.