Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Domingo à tarde

Senta-te, desfruta e serve-te enquanto vou ali fazer uma sestinha

17.Jan.18

Qual o preço de ter tempo de qualidade com os outros?

David Marinho
Sei que as horas são propícias a devaneios estúpidos, insensatos ou confusos. Mas a pergunta que me fiz até foi bastante válida, porque realmente qual será o preço de voltarmos a ter tempo de qualidade com os outros, sem que sejamos impostos pelas - desculpem o pleonasmo - imposições da vida? Qual o preço de fazer as coisas por fazer, sem que tenhamos forçosamente de fazer para compensar? (Percebem a diferença?). Nós lutamos de forma errada todos os dias por tempo de (...)
15.Nov.17

#11 Chucha-me o nabo

David Marinho
O bom que levo desta vida é o de poder olhar para as pessoas, para pessoas e tudo o que trazem com elas. Existem olhares, uns cheios de vida e outros tão vazios e todos eles coabitam, constroem o mundo onde vivemos. E hoje, enquanto fazia o meu trajeto de comboio, pensei muito nisto: podem duas entidades opostas emocionalmente coabitar o mesmo espaço? Não pode com isso haver uma transferência de energia, que possa, das duas, uma: ou acabarem as duas num estado emocional igual ou uma (...)
13.Set.17

#3 Chucha-me o nabo

David Marinho
O que nos faz verdadeiramente felizes?Não é sentirmo-nos bem mas a felicidade propriamente dita.Alguém é verdadeiramente feliz? É possível ser-se realmente feliz a longo prazo?Pensei muito nisto, quando no comboio apinhado de gente, fiz questão de desligar a música para reparar e ouvir as pessoas. Tudo é um desmazelo, uma complicação e horas difíceis. Tudo é motivo de discussão logo pela manhã, chatices para resolver e contas para pagar. Tudo é razão para desconfiarmos, (...)